• MARIO BASTOS

A hora é chegada


Sabemos que o dia tem vinte e quatro horas, que uma hora tem sessenta minutos, que um minuto tem sessenta segundos e daí por diante.

Tivemos aulas na escola, aonde a professora de ciências falava sobre o ciclo da vida, aonde as plantas, nascem, crescem e morrem, enfim, nos mostraram que tudo tem um tempo, uma vida útil, uma durabilidade, etc.

Nossas vidas, também são feitas de ciclos, vários, diga-se de passagem, aonde dentro de cada um, vivemos uma ou várias situações, aonde ao fim de cada um especificamente, espera-se que todas as situações vivenciadas nele, também cheguem ao fim.

Algumas pessoas, tem certas características ou até mesmo dificuldades de não concluírem a contento esses ciclos e assim vão “empurrando com a barriga” como se fala popularmente. Não encerrar ciclos não é interessante, pois deixar situações mal resolvidas não é salutar porque é andar com uma pedrinha dentro do sapato e enquanto não resolver, ou melhor, não fechar esse ciclo, essa pedrinha “aumentará” até seu pé não caber mais dentro do sapato.

Temos que nos conscientizar que não adianta fugir das soluções, das escolhas, pois quando chega à hora não se tem o que fazer, pois resolver situações, encerrar ciclos são movimentos necessários, para assim a vida continuar com mais qualidade e leveza. Leveza essa que permitirá com que você possa transitar pela sua própria vida com qualidade e verdade.

Quando é chegada a hora não perca tempo e nem titubeie, decida, pois qualquer que seja sua decisão é uma decisão, se de repente não for a mais acertada, num momento posterior, você poderá adaptar algo a essa decisão para assim a mesma se tornar a mais acertada.

“A hora é chegada, não perca tempo, deicda”.


0 visualização

Avenida Rudolf Dafferner, 400 - Praça Maior - Boa Vista - Sorocaba/SP

© Mario Bastos - Desenvolvido por Infoqplan Performance Digital